Alguns dados sobre saúde ocular nos países subdesenvolvidos


No dia 10 de julho foi comemorado o Dia Mundial da Saúde Ocular, data em que a comunidade médica procura alertar a população para a cegueira e outras condições que colocam a visão em risco.

Pesquisas mostram que 90% dos casos de deficiência visual no planeta ocorrem em países em desenvolvimento. Dados do Conselho Brasileiro de Oftalmologia mostram que em todo o mundo, cerca de 50 milhões de pessoas sofrem de cegueira e 180 milhões de pessoas possuem alguma deficiência visual. Já no Brasil, aproximadamente 5,4 milhões de pessoas são cegas ou tem visão subnormal (ou seja, sofrem de perda visual severa). Além disso, para cada brasileiro cego existem 3,4 pessoas com baixa visão.

Estudos globais mostram também que mulheres de todas as idades correm mais riscos de se tornarem deficientes visuais do que homens.

Como casos de deficiência causados por erros de refração (quando a imagem não é formada exatamente na retina) não são contabilizados como deficiência visual, a real magnitude mundial desse problema pode ser ainda maior.

Profissional qualificados do ramo explicam que as principais causas de deficiência visual são a retinoplastia diabética (lesões causadas na retina devido à alta concentração de açúcar nos vasos sanguíneos), a ametropia (erros refracionais como miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia), catarata, glaucoma, dentre outros. A catarata é a maior causa de cegueira curável, sendo responsável por 48% dos casos globais de cegueira. Grande parte destas doenças podem ser evitadas. Fazer exame periodicamente é muito importante para prevenir problemas sérios como o glaucoma, uma doença que afeta o nervo óptico, provocando lesões que comprometem progressivamente a visão, podendo mesmo levar à cegueira. É uma doença que age lentamente e até o portador perceber, normalmente ele já perdeu uma boa parte das fibras nervosas que constituem o nervo óptico e por isso a prevenção e tratamento precoce fazem toda a diferença.

Para evitar problemas consulte seu oftalmologista periodicamente e esteja sempre atento a mudanças na sua saúde ocular.

Fonte: Hospital de Olhos INOB