Evite problemas com sua lente de contato


Uma pesquisa no Canadá reuniu 1654 usuários de lentes de contato para testarem diversos tipos de lentes, especialmente as feitas de silicone hidrogel, que possuem maior oxigenação, porém com o prazo de descarte menor que as comuns. Os entrevistados que usam lentes quinzenais foram os mais descuidados, alegando que usam o produto por mais tempo do que o proposto pelo fabricante, por conta do custo alto ou simplesmente, porque esquecem. 

Foi constatado então que quatro em cada dez pessoas não repõem suas lentes de contato no prazo estipulado pelo fabricante, além de não higienizarem suas lentes de maneira adequada. 

Aqui no Brasil, nenhum estudo semelhante foi aplicado, porém os números não devem ser diferentes, pois os problemas se repetem por aqui também. Temos 1% da nossa população utilizando lentes de contato, o que se resume a um número de 2 milhões de brasileiros, sendo 72% deste número usuárias mulheres. As maiores decorrências de nossos usuários são as alergias. Essas reações podem ser causadas pelas próprias lentes vencidas ou de produtos inadequados para a higienização.

É importante a participação do oftalmologista no processo de adaptação às lentes de contato, instruindo o usuário sobre os cuidados extremos de limpeza, conservação e reposição do produto, além de averiguar a cada consulta se o paciente realmente entendeu as indicações dadas, assim como averiguar se ele está seguindo-as corretamente. 

As lentes de contato aplicadas aos olhos entram em contato com restos de células, partículas do ambiente em que vive, substâncias químicas, gasosas, liquidas expostas no ar, e no caso das mulheres, a cosméticos e maquiagens. Se a higienização não for feita corretamente, assim como seu prazo de troca não for respeitado,  todos os fatores citados reduzirão o conforto e a tolerância do usuário, além da vida útil do produto.

No próximo post trataremos da limpeza adequada das lentes de contato, e o risco de se usar soro fisiológico para devidos fins.