Planos para ampliar programas de saúde ocular no Brasil

Pesquisas realizadas pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) no ano passado mostram que o Brasil precisa investir mais em programas de prevenção e diagnóstico da saúde ocular. Segundo os dados levantados, 15 milhões de crianças apresentam problemas de miopia, astigmatismo e hipermetropia, atrapalhando o desempenho escolar. Estima-se também que o Brasil possui de 21 a 68 milhões da sua população miope, sendo de 2 a 7 milhões com miopia degenerativa, e com o passar dos anos, o envelhecimento causa diversos outros problemas, como perda da visão, catarata e outras doenças degenerativas.

Outro assunto preocupante é que 33 mil crianças brasileiras são cegas por doenças oculares, problemas esses que poderiam sem evitados se diagnosticados antecipadamente. O glaucoma atinge 1 a 2% da população, aumentando o risco após os 40 anos, atingindo a 6 ou 7% depois dos 70 anos de idade. 

Esses resultados chamaram a atenção do Ministério da Saúde, que decidiu aumentar a parceria com a CBO para investir em programas de prevenção, diagnóstico e tratamento para todas as idades. 

O Brasil ocupa hoje o primeiro lugar em transplantes de córnea na América Latina, porém o SUS ainda não atende à essa grande demanda. A meta para evitar que brasileiros apresentem perda na visão por problemas como a catarata, seria necessário ampliar a quantidade de cirurgias anuais de 540 mil (390 mil no setor público e 180 mil no setor privado) para 720 mil operações em um ano.