Novas lentes de contato proporcionam visão telescópica

Uma lente que possibilita a visão telescópica ao usuário - esse é mais um lançamento dos pesquisadores Joseph Ford, da Universidade da Califórnia, e Eric Tremblay, da EPFL (Escola Politécnica Federal de Lausanne), que se juntaram para criar essa tecnologia. Uma vez combinadas com óculos especialmente projetados para tal, as lentes conseguem ampliar 2,8 vezes o tamanho de uma imagem. 


Com a ajuda de filtros polarizadores, o sistema permite que a visão mude de normal para telescópica com um simples ajuste nos óculos. A tecnologia foi criada não só para aplicações militares, como também para devolver a qualidade de vida à pessoas que sofrem de degeneração macular, ocasionada pelo avanço da idade e uma das principais causas da cegueira.




Suas características técnicas permitem que a entrada de luz seja semelhante à de uma visão normal, pois o elemento telescópico fica em um anel em volta da região central (esta região que, por sua vez, permite a entrada de luz natural). O amplificador responsável por projetar a luz ampliada é formada por pequenos espelhos de alumínio, lançando-a para o anel quatro vezes antes de direcionar a luminosidade para a retina.

O uso do telescópio precisa ser ativado e o usuário consegue regulá-lo através dos filtros posicionados nos óculos, desbloqueando os filtros polarizadores. Assim a imagem ampliada é lançada sobre a retina somente quando desejado. Inicialmente, a ideia era criar um efeito 3D para os óculos (foram utilizados para os testes, óculos 3D de televisores domésticos) para filtrar a luz, bloqueando a entrada de forma alternada das lentes (a da esquerda e a da direita).
Segundo os pesquisadores, a maior dificuldade foi encontrar uma forma de permitir que a córnea não fique sem oxigênio: "a parte mais difícil do projeto foi tornar as lentes 'respiráveis'Se você quiser usar as lentes por mais de 30 minutos é necessário que elas permitam que o olho respire", contou Tremblay à BBC. Para resolver essa questão, lentes de contatos especiais foram projetadas com pequenos canais para permitirem o fluxo de oxigênio para o olho, tornando a fabricação das lentes mais complexa, porém, permitindo que o usuário utilize-as por tempo integral. 

A versão permeável desta tecnologia receberá seus primeiros testes clínicos a partir de novembro.