Descoberta de gene promete acabar com a miopia

Um estudo iniciado em 2010 no King's College, em Londres, e publicado na revista Nature Genetics, indica que os óculos de grau serão peças de museu em alguns anos. Cientistas anunciaram que foi descoberto um dos genes responsáveis pelo crescimento distorcido do olho (denominado como RASGRF1), e com isso é possível desenvolver drogas específicas para corrigir a miopia, vista cansada, cegueira associadas à idade e outras refrações.

Christopher Hammond, um dos cientistas responsáveis pela descoberta, acredita que será possível curar a miopia com o uso de colírios ou comprimidos, bloqueando os sinais genéticos causados pela doença. Cerca de 4.200 pacientes foram avaliados durante os estudos, e Hammond afirma que o tratamento pode levar cerca de uma década para apresentar resultados definitivos.

O RASGRF1 é conhecido por interferir em células nervosas da retina, transformando o estímulo luminoso em nervoso, afetando até a memória visual. Mas sabe-se que ele não é o único responsável por problemas de refração. Apesar da miopia ser um problema de visão comum (no Brasil, a taxa de miopia acima de 6 graus atinge mais de 10% da população), pouco se sabe a respeito de suas bases genéticas.


O número de míopes cresce constantemente em todos os continentes e muitos associam este crescimento com os fatores ambientais e estilo de vida das pessoas, como ficar muito tempo em frente ao computador, falta de atividades ao ar livre, o excesso de trabalho em escritórios, centros urbanos e contato com a poluição.

Até o momento, somente a cirurgia a laser pode diminuir a miopia, e mesmo assim o resultado não garante a eliminação total da refração. Antigamente todos os pacientes míopes eram operados, mas com o avanço das técnicas cirúrgicas algumas limitações foram colocadas, como por exemplo, pacientes com a córnea muito fina, plana ou com irregularidades na superfície não podem ser operados.