Casos de retinoblastoma que descarta a quimioterapia

Como já publicamos recentemente, o retinoblastoma é um tumor maligno que se desenvolve a partir dos retinoblastos, células responsáveis pelos fotorreceptores da retina e pode atingir um ou ambos os olhos, e em alguns casos estendem-se para o crânio. Os principais atingidos pela doença são as crianças, sendo elas 80% menores de 4 anos, sendo que a média de idade do diagnóstico é 2 anos. No entanto, pesquisadores franceses do Instituto Curie devolveram a esperança para pais e pacientes de baixo risco (que são tratados com cirurgia), publicando um estudo que sugere o descarte da quimioterapia pós cirurgia. Já as crianças que sofrem da doença no nível intermediário ou de alto risco podem dar continuidade ao tratamento com uma quimioterapia menos agressiva.
Segundo informações fornecidas pelo Cancer.org, muitos dos medicamentos quimioterápicos usados para o tratamento de retinoblastoma apresentam efeitos colaterais graves e a longo prazo, como problemas no coração e no sistema nervoso, além de perda de audição e maior risco de desenvolver leucemia.

O estudo desenvolvido analisou 123 crianças de baixo, médio e alto risco, com o tumor em um dos olhos e que removeram o olho cirurgicamente durante 6 anos. Os 70 pacientes de baixo risco não receberam a quimioterapia após a cirurgia. Já as 52 crianças de risco intermediário receberam 4 sessões pós operatório. Somente um enfermo com a doença de alto risco recebeu 6 sessões de quimio. O resultado final mostrou que nenhum dos voluntários sofreu agravamento da doença, recidiva ou metástase.

Uma publicação no Journal of Clinical Oncology mostra que os resultado do estudo é altamente seguro, além de sugerir que pacientes de risco intermediário podem obter melhor qualidade de vida diminuindo a dosagem da quimioterapia ou descartando de vez a opção pós operatória. 

Vale lembrar que se caso o seu filho tenha a doença e precisa fazer a cirurgia, somente o médico responsável pode eliminar ou não a quimioterapia do tratamento. Portanto, jamais tome decisões sem antes consultá-lo.