Estudo relaciona pílula anticoncepcional ao glaucoma

Uma pesquisa realizada pelo National Health and Nutricion Examination Survey apontou que mulheres que usam pílulas anticoncepcionais orais por muitos anos devem aumentar a frequencia de visitas ao oftalmologista após os 40 anos, pois o uso sem pausa deste método pode aumentar o risco de desenvolver glaucoma após os 50 anos.
A descoberta não deve desencorajar as mulheres a deixarem de usar os contraceptivos, e sim alertar os médicos que existe essa ligação, e estimular suas pacientes à aumentarem os cuidados com a saúde ocular. Os pesquisadores responsáveis afirmam que, mesmo com o resultado, o risco de glaucoma ainda é baixo.

Ainda não foi explicado qual é a influência do anticoncepcional no desenvolvimento do glaucoma, mas especula-se que seria por conta da falta de estrogênio, presente nos receptores das células do nervo óptico, que protege os olhos do declínio relacionado à idade. 

Anteriormente, os pesquisadores descobriram que as mulheres que entram na fase da menopausa precocemente ou tomam medicamentos que bloqueiam o estrogênio (como as que são usadas no combate ao câncer de mama) elevam o risco do glaucoma. 

O estudo foi promovido durante muitos anos como parte do curso Nacional de Saúde do Nutrition Examination Survey, no Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos. No total, 3.406 mulheres acima de 40 anos foram acompanhadas e submetidas a exames oftalmológico regulares, e responderam questionários sobre a sua saúde produtiva e histórico médico. Pacientes que usavam pílulas de qualquer tipo por 3 anos ou mais apresentaram 5% de chances de desenvolver glaucoma.

Shan Lin, professor de oftalmologia clínica e diretor do serviço de Glaucoma da Universidade da Califórnia, em São Francisco, disse que os resultados eram preliminares e mostraram apenas uma correlação, e não uma causalidade, contudo, deve ser analisado em conjunto com dados de estudos anteriores que sugeriram a relação entre os níveis de estrogênio e o desenvolvimento da doença.

Um estudo publicado na revista "Eye" há dois anos mostra que 80 mil mulheres foram estudadas ao longo de 30 anos, e que as mulheres usuárias de pílulas anticoncepcionais em qualquer momento da vida não apresentam risco elevado de glaucoma, porém, as usuárias de 5 anos ou mais apresentavam risco moderadamente elevado da doença.

Louis Pasquale, autor do estudo e professor de oftalmologia na Harvard Medical School, em Massachusetts, EUA, acredita que a presença de estrogênio ajuda a manter as células vivas, e relaciona a redução do estrogênio ao longo da vida com o aumento do risco da doença degenerativa: "os investigadores estão trabalhando no desenvolvimento de agentes tópicos para os olhos que poderiam imitar o efeito protetor do estrogênio. Essas drogas, no entanto, apenas foram testadas em animais, e eles estão uns dez ou 15 anos distantes de testes em humanos", relata o professor.

Pasquale ainda acrescenta que as mulheres precisam estar cientes de que pode haver uma ligação entre a sua saúde reprodutiva e seus olhos. Enquanto elas não sintam a necessidade de tomar decisões sobre isso, é necessário realizar exames periódicos, se tomam anticoncepcionais por muito tempo ou sofrem de menopausa precoce.