A terapia genética contra a coroideremia

A Lancet, uma das revistas médicas mais importantes do mundo, publicou recentemente o resultado da primeira fase de um teste clínico realizado na Universidade de Oxford, no Reino Unido, que utilizou a terapia genética para tentar reverter o dano à retina e outras áreas delicadas dos olhos. O objetivo é substituir o trecho de DNA defeituosos por um compatível e em bom estado.

As doenças degenerativas que afetam a saúde ocular tem sido o principal alvo dos cientistas para testar a geneterapia, pois esse tipo de enfermidade não costuma ter cura, e por isso diversas abordagens 'ousadas' são utilizadas para preservar a visão dos pacientes. Pensando nisso, Robert MacLarena, pesquisador que coordena a pesquisa, escolheu a coroideremia, doença que afeta mais de 50 mil pessoas (em sua maioria, homens), para ser enfrentada neste estudo. Dos seis pacientes testados com essa enfermidade, quatro deles apresentavam uma gravidade menor da doença e continuam com a mesma acuidade visual que tinham antes da operação. Já os outros dois  que possuíam um estágio mais grave responderam o tratamento com resultados satisfatórios.
Luciano Veronezi/Editoria de Arte/Folhapress


Em laboratório, os cientistas embutem o gene de interesse em um vírus que infecta seres humanos e primatas sem causar doenças, e como um arquivo de pen drive, fica encarregado de espalhar o gene nas células do olho após ser injetado no local. A grande preocupação é evitar com que os 'entregadores do DNA' saiam do controle e afete as regiões saudáveis. Por isso, todo cuidado é pouco.

Os resultados apresentados se mantiveram mesmo depois de seis meses do procedimento ter sido realizado, e os cientistas acreditam que é pouco tempo ainda para se esperar uma progressão da doença. "Esta é a primeira vez que a terapia genética é usada para tratar pacientes com acuidade visual ainda normal. Nossos resultados mostram que a terapia é uma grande promessa para tratar outros problemas, como a degeneração macular relacionada à idade", disse MacLaren em comunicado.

Info: Folha